• m.EU

O que não é Singularidade - Semana 2

Da série m.EU Próximo Passo: A Singularidade



O QUE NÃO É SINGULARIDADE

Compreendendo a Singularidade


08 de Junho - Mary Lennox é uma das personagens do filme “O Jardim Secreto”. Ela descobre um jardim abandonado o qual decide a todo custo trazer à vida, e nesta jornada aprende a preciosidade que é, ao invés de fechar-se, compartilhar os segredos mais puros do coração para àqueles que realmente merecem. O que aprendi é que todos temos um jardim secreto no coração pulsando para vir à vida e que, quanto mais compartilhamos, mais somos únicos pelas trocas que alimentam nossas flores da alma. O desafio é construir relações as quais outras pessoas, também singulares, saibam reconhecer você como você é. Que ações você tem participado na vida das pessoas para que elas reconheçam em você uma abertura autêntica da sua vida?


09 de Junho - Um dos desafios da maturidade emocional é não ser vítima das circunstâncias e de todos os eventos controláveis ou não no seu dia a dia. O que é pouco percebido é que a qualidade do tempo e da emoção dedicados a compreender a importância de cada uma das experiências vividas é que determina a fundamental diferença entre ter sido vítima (no passado) e ser vítima o tempo todo. A vitimização é um veneno silencioso que leva a singularidade à morte. Com o que você tem dedicado tempo lamentando ter sido ferido e sem ressignificar seus resultados? Que oportunidades tem perdido nas experiências que vivenciou? No que suas experiências do passado tornam você singular e melhor?


10 de Junho - Carl Jung (psiquiatra suíço) em 1969 publicou sobre o inconsciente coletivo - sentimentos e lembranças herdados que o indivíduo não expressa conscientemente, apenas em conforto com outros iguais que o compreendam de forma singular. Quando Jung disse que "o indivíduo que olha para fora sonha, mas o que olha para dentro desperta”, mostra que aquele que deseja ser singular faz a escolha consciente e individual de não ser ausente de si próprio. Tornar-se protagonista da própria vida é olhar com zelo para todas as áreas que compõem seu eu. Você tem fugido de enfrentar quem é verdadeiramente? Quando foi a última vez que se apaixonou por algo singular de si mesmo? O que há de incrível em você?


11 de Junho - O Singular não é egoísta nem egocêntrico, isolado ou exclusivista. Ele é individual, concentrado em si e, por isso, inclusivo. Saber, conhecer e aplicar esta diferença é resultado de despertar para si próprio e em função disso despertar para os outros. Somos singulares por sermos parte do universo através da interação com as pessoas à nossa volta, oferecendo aquilo que somos e temos em nós. Construiremos nossas escolhas singulares daquilo que colhermos das trocas que plantarmos com essas pessoas. Que singularidades você vê nas pessoas para complementar sua vida e vice versa? Quais pessoas estão intoxicando sua caminhada não oferecendo nada em troca? Quais são as que oxigenam sua alma permitindo você ser inclusivo?


12 de Junho - Aos 23 anos fiz a cirurgia da miopia nos dois olhos. Ao abrir os olhos no pós-cirúrgico vi um mundo completamente diferente, as cores eram vivas e brilhantes e tudo tão próximo que meu sentimento variava entre encantamento e confusão. Nada tinha sido tão incrível antes, mesmo usando óculos corretivos. O médico disse que a partir daquele momento eu passaria a ouvir melhor, não somente ver melhor, o que de fato ocorreu. Tal como o relaxamento do cérebro para um sentido (da visão corrigida) melhorando outro sentido (da audição), pessoas singulares veem melhor o mundo, sentem melhor suas oportunidades, percebem melhor seus riscos e agem melhor com suas inteligências.


13 de Junho - “… pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca”, os livros sagrados ao redor do mundo repetem esta mesma afirmação, seja qual for a crença a qual eles servem. O pensar, sentir, falar e agir é reflexo do que está em nosso coração. Indivíduos comprometidos com uma vida elevada e singular constroem relações claras, honestas e pautadas na transparência, não aceitam um ‘jeitinho’ de fazer as coisas. Quanto mais comprometido com sua própria vida, menos enganoso você é com as pessoas ao seu redor, seus negócios, seus estudos, decisões, relacionamentos etc. Quais são os “jeitinhos” que você precisa abandonar? No que precisa ser transparente e honesto consigo e com os outros? Do que seu coração está preenchido?


14 de Junho - Se a vida fosse um trem seria fácil perceber e admitir que alguns indivíduos são vagões e outros locomotivas. Alguns vagões carregam diamantes e outros feno; enquanto certas locomotivas tem potencial para longas viagens outras vão a velocidades aceleradas. O que há de desafiador no papel singular que exercemos no mundo é não sermos confundidos pela arrogância de que nosso papel é mais importante do que qualquer outro. Num mundo de singularidades o que existe é a interdependência, onde todos são parte do crescimento produtivo. Uma locomotiva sem vagões é apenas uma maquina robusta sem função e um vagão sem locomotiva é uma caixa de metal. O quanto sua arrogância cega seu caminho de interdependência com o mundo?


m.EU Próximo Passo: A Singularidade Joy & Lucas

Copyright © clubemeu - 2018 

  • Preto Ícone LinkedIn
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone Twitter
  • Preto Ícone Instagram